quarta-feira, 9 de julho de 2008

Sistema Urinário


O sistema urinário participa da manutenção da homeostase através da eliminação de restos do metabolismo, de água e outras substâncias pela urina. O sistema urinário é formado por 2 rins, 2 ureteres, 1 bexiga e 1 uretra.
O rim é um órgão que apresenta uma porção côncava e outra convexa. Na porção côncava se situa o hilo, local de entrada e saída de vasos, nervos e também a partir do qual os cálices renais formam a pélvis renal. O rim pode ser separado em porção cortical e porção medular. Na medula observam-se de 10 a 18 pirâmides medulares, as quais apontam para os cálices e destes para a pélvis renal. Cada pirâmide contém de 400 a 500 raios medulares, os quais penetram no córtex.
A unidade de filtração do rim é o néfron. Cada néfron é formado pelo corpúsculo de Malpighi, pelos túbulos contorcidos proximais e distais e pela alça de Henle.
O corpúsculo renal é formado por aglomerado de capilares, conhecido como glomérulo, envoltos pela cápsula de Bowman, que possui um folheto parietal, formado por células simples pavimentosas e o folheto visceral formado por células modificadas, com prolongamentos primários e secundários, estas células conhecidas como podócitos.
Os prolongamentos dos podócitos envolvem e abraçam os capilares, deixando pequenos espaços entre os prolongamentos secundários, fechados por uma membrana, e conhecidos como fendas de filtração. Além destas fendas de filtração, o filtrado tem de passar pelas fenestrações dos capilares e através de uma membrana basal espessa formada pelas células endoteliais e pelos podócitos.
Acredita-se que esta membrana basal de 100 a 300nm de espessura seja a principal barreira no processo de filtração. Além das células endoteliais e dos podócitos, a estrutura glomerular apresenta ainda as células mesângiais. Habitando os espaço entre as células endoteliais, estas células desempenham importante papel de manutenção e limpeza da membrana basal.
O filtrado glomerular, após atravessar a barreira de filtração, passa pelo espaço capsular e segue pelo túbulo contorcido proximal. Este túbulo é formados por células cúbicas com borda em escova (microvilosidades), e na porção basal se observam dobras e interdigitações entre as células adjacentes.
O citoplasma destas células é rico em mitocôndrias, o que lhes confere características acidófilas. O papel destas células e destes túbulos está na reabsorção de íons e outras sustâncias do filtrado. Após passar pelo túbulo contorcido proximal, o filtrado segue para as alça de Henle. Formada por uma porção descendente, em sua maior parte constituída por epitélio simples pavimentoso, e porção ascendente formada em sua maior parte por epitélio cúbico simples.
As alças de Henle têm o papel fundamental junto aos ductos coletores na concentração da urina e reabsorção de água. Após passar pela alça de Henle, o filtrado segue em direção ao túbulo contorcido distal. Estes túbulos também formados por epitélio cúbico simples, entretanto, apresentam microvilos mais curtos e espaçados, além de um número menor de mitocôndrias, o que torna o citoplasma destas células menos acidófilos se comparados as células do túbulo contorcido proximal. O túbulo contorcido distal se aproxima do corpúsculo de Malpighi do mesmo néfron, e suas células se modificam, tornando-se cilíndricas, recebendo o nome de mácula densa. Esta estrutura, em conjunto com as células justaglomerulares da túnica média da arteríola aferente, formam o complexo justaglomerular e funcionam na regulação do balanço hídrico e do equilíbrio iônico. O filtrado após passar pelo túbulo contorcido distal, deixa o néfron e deságua nos túbulos ou ductos coletores, os quais seguem em direção as papilas.
Os tubos coletores inicialmente são revestidos por epitélio cúbico e a medida que se fundem com outros tubos e se dirigem para as papilas se espessam e suas células tornam-se cilíndricas. Como já foi colocado anteriormente, os tubos coletores atuam em conjunto com a alça de Henle na reabsorção de água. A bexiga e as vias urinárias são responsáveis pelo armazenamento e pelo transporte da urina para o exterior.
A mucosa destas vias é formada por epitélio de transição apoiado sobre uma lâmina basal. As células mais superficiais do epitélio de transição se caracterizam por modificações que, quando a bexiga ou o ureter estão vazios, apresentam o aspecto globoso, quando as vias urinárias estão cheias,estas células passam a apresentar um aspecto mais achatado.

Nenhum comentário: